sábado, 16 de fevereiro de 2013

Mais de 35 pirâmides inéditas foram encontradas no Sudão


Ao menos 35 pequenas pirâmides, agrupadas em conjunto e juntamente com sepulturas, foram descobertas em um local chamado Sedeinga no Sudão.
  Descobertas entre 2009 e 2012, os pesquisadores estão surpresos com a forma densamente concentradas dessas pirâmides. Em uma temporada de campo, em 2011, a equipe de pesquisa descobriu 13 delas em uma área de cerca de 500 metros quadrados – um pouco maior que uma quadra de basquete da NBA.

Elas têm cerca de 2.000 anos, época que um reino chamado Kush cresceu no Sudão. Os Kush faziam fronteira com o Egito e, mais tarde, o Império Romano. Aparentemente o povo do reino foi influenciado pela arquitetura funerária egípcia, na construção de suas pirâmides.
Segundo os pesquisadores, foram construídas pirâmides no Sedeinga durante séculos. “A densidade das pirâmides é enorme” disse o pesquisador Vincent Francigny, que é associado com o American Museum of Natural History  (Museu Americano de História Natural), em Nova York, em entrevista ao portal LiveScience. Ele explicou: "Porque durante centenas de anos, eles construíram mais, mais, mais pirâmides e depois de séculos, começaram a preencher todos os espaços que ainda estavam disponíveis na necrópole".
  As maiores pirâmides descobertas têm cerca de 7 metros de largura na base, o menor exemplar, provavelmente para o enterro de uma criança, com apenas 750 milímetros de comprimento. A passagem do tempo e a presença de uma rota para caravana de camelos danificou o monumento. Francigny disse que o topo das pirâmides pode ter sido decorado com a representação de uma capstone, ou um pássaro, ou uma flor de lótus no topo de uma esfera solar.

A construção continuou até que, eventualmente, acabaram sem espaço para as pirâmides. “Eles chegaram a um ponto que estava tão cheio de pessoas e sepulturas que precisavam reutilizar a mais antiga”, disse Francigny.

Francigny é diretor da escavação da Missão Arqueológica Francesa para Sedeinga, a equipe que fez as descobertas. Ele e o líder da equipe Claude Rilly que publicou um artigo detalhando os resultados de sua temporada de campo de 2011 na edição mais recente da revista Sudão e Núbia.

Entre as descobertas, várias pirâmides foram construídas com uma cúpula interna (estrutura circular) ligada aos cantos da pirâmide através de cintas cruzadas. Rilly e Francigny observaram em seu estudo que o desenho da pirâmide se assemelha a um "Jardim Francês formal".

  Apenas uma pirâmide, fora de Sedeinga, é conhecida por ter sido construída desta forma, e é um mistério por que as pessoas de Sedeinga gostavam desse design. Que "não adiciona à solidez ou ao aspecto exterior [aparência] do monumento", escreveram Rilly Francigny.
Uma descoberta feita em 2012 pode fornecer uma pista, Francigny disse na entrevista. "O que descobrimos este ano é muito intrigante", disse ele. "Um túmulo de uma criança, e ele foi coberto por apenas uma espécie de círculo, quase completa, de tijolo". É possível, disse ele, que quando a construção de pirâmides entrou em moda na Sedeinga, foi combinada com uma tradição local de construção de círculos, chamado “construção tumulus”, resultando em pirâmides com círculos dentro delas.
Criança enterrada com colares em uma das pirâmides em câmaras de túneis funerários especiais. Foto: Reprodução / Vincent Francigny / SEDAU
Os túmulos ao lado das pirâmides tinham sido amplamente saqueados, possivelmente na antiguidade, pelo tempo em que os arqueólogos escavaram. Investigadores encontraram restos de esqueletos e, em alguns casos, artefatos.
 
 
Uma das mais interessantes descobertas foi uma mesa de oferendas, encontrada perto dos restos de uma pirâmide. Parece representar a deusa Ísis e a cabeça de chacal do deus Anúbis, incluindo uma inscrição, em linguagem Meroitic, dedicada a uma mulher chamada "Aba-la", o que pode ser um apelido para "avó", disse Rilly.

Traduzido as incrições, se lê: Oh Isis! Oh Osiris! É Aba-la. Faça ela beber água abundante; Faça ela comer pão abundante; Faça ela ser servida uma boa refeição.
A mesa de oferendas com a inscrição era uma despedida para uma mulher, possivelmente uma avó, dando o enterro pirâmide, cerca de 2.000 anos atrás.

Fonte: LiveScience  
Foto: Reprodução / Vincent Francigny / SEDAU e Chagny BN SEDAU / SFDAS via LiveScience.com
http://www.jornalciencia.com/