domingo, 3 de fevereiro de 2013

Des+Ânimo


 
Você está percebendo que existe uma sequência nos nossos últimos textos e não é por um acaso que isso acontece.
É evidente que todos querem realizar uma mudança em nosso caminhar, mas poucos sabem como isso se processa. Não se trata de uma tarefa fácil e simples.
No último texto, falamos das dificuldades que teremos em implementar uma transformação em nosso posicionamento pessoal. Ficou claro que é difícil.
Precisamos, para tanto, derrotar nosso maior inimigo: nós mesmos.
Precisamos acabar com vícios, hábitos, postura social, familiar, religiosa e de relacionamento.
A maioria de nós foi "educada" para obedecer, para seguir alguém; mas poucos foram efetivamente ensinados a cuidar de si próprios, conscientes de que a vida está em nossas mãos, nos nossos pensamentos e conseqüentes atos.

Sabe por que foi assim?
Porque nossos pais também foram adestrados desta forma. Porque os nossos avós assim também o foram e tudo passa a ser uma cadeia, uma sequência.
Como elos de uma corrente. Quebrar o elo pode nos marginalizar em muitos aspectos. As pessoas nos querem como somos. Pouco importa, para elas, se para nós está ruim...
Esta é uma posição de conforto, de mesmice... mas, que precisamos enfrentar; do contrário não haverá mudança.
A maioria absoluta de nossa sociedade foi batizada na igreja sem ser consultada sobre se era esta a filosofia que queria seguir...
Copiamos padrões ultrapassados e obsoletos.
Fomos, finalmente, educados dentro de uma sociedade de consumo, cujos valores mostram que as pessoas de sucesso são os ricos, os que têm posses materiais; esses são os "vitoriosos".

Ora, começamos a "perder o rumo" no momento em que confundimos valores materiais com o processo de energia à nossa volta. À medida que os dias avançam, a "cobrança" interna de evolução pessoal aumenta.
Para mim, rico é aquele que sabe olhar sabiamente para dentro de si e toma as decisões corretas sem afetar os outros.
Ninguém fica depressivo por obra do acaso. Só que ainda não sabe analisar as causas.
É mais fácil e confortável ser vítima... ir ao médico e descobrir que a doença ainda é mental; não se instalou no corpo físico. Só é energética. Dopa-se com antidepressivos e assim perde a capacidade de lutar.
Não sabemos produzir a verdadeira energia para nossa vida. Só nos preocupamos com a energia física, material, alimentar e coisas que conseguimos facilmente compreender, tocar e avaliar com os valores antigos e ultrapassados que temos.
Contudo, o que faz efetivamente a diferença em nossas vidas é a ENERGIA que não vemos, mas sentimos.
Aquela que, ausente de nós, deprime. Aquela que, ausente, "dói". Aquela que, ausente, facilmente gera desânimo.

E é com esta ENERGIA que articulamos a mudança de nossos valores e, consequentemente, de nossas colheitas.
Não se consegue mudar sendo seguidores, acompanhando os outros. Não se consegue sucesso na caminhada quando achamos que o nosso bolso está acima de nossa mente. Não se consegue andar feliz e realizado obedecendo aos outros.
A maneira como produzo minha riqueza será a maneira como irei gastar o dinheiro que acumulo.
Dinheiro conseguido de enganação se gasta em enganação. Dinheiro conseguido por falsas ações trabalhistas, se gasta em saúde. Dinheiro conseguido com sofrimento alheio se gasta em curar nossa própria dor.
Portanto, dinheiro tem energia sim. E MUITA. A ENERGIA que produzimos gera, impulsiona, flui, administra a nossa vida.
Assim é preciso entender que o processo de mudança vibratória de uma vida não funciona com valores materiais e da forma que se quer. Para a Energia, por exemplo, o tempo não conta.

Energia se processa na mente. É a forma de ver a vida que precisa ser ajustada. Saber pensar a nosso favor. Seguir a intuição é a base.
Ninguém é intuído sem que haja uma FORTE razão para isso.
Precisamos aprender e prestar atenção nisso, senão, na enorme dificuldade de implementarmos a mudança em nossos valores e, consequentemente, em nossa vida, facilmente iremos desanimar.
O DES de desanimar, neste estágio, vem de nosso desconhecimento da força da energia que produzimos, e isso elimina facilmente o ânimo de mudar. Temos que pensar de acordo com o que pretendemos executar.
E o ânimo vem da forma como o adubamos. Pensar que é difícil, que não dá, é o começo do fim.
Precisamos ter consciência que a energia inicia em nossa mente. Tudo o que não se toca, mas se sente, faz a diferença em nossas vidas.
E a Energia se sente.

Hipócrates, pai da medicina, 400 anos antes de começar nossa era, já comentava sobre as disfunções que a energia negativa provoca em nossa saúde.
É fundamental, portanto, sabermos cuidar de nossa energia.
Ela nasce em nossos valores, que geram nossos pensamentos.
Na sequência, emitimos sons via palavras... desta forma temos que ter cuidado com o que se fala e COMO se fala. Assim como sobre o que se pensa.
Não desanime... É apenas o começo de uma nova e bela vida. Agora você não ignora mais que TUDO está sob seu controle.
Vá à luta e tenha sempre presente:
Quando nós encontrarmos uma resposta... vai mudar a pergunta!
Evoluir é isso: Vencer obstáculos a cada dia.

Sei que nos veremos... mais animados e diferentes, porém!
Beijo na alma

:: Saul Brandalise Jr. ::