domingo, 30 de maio de 2010

COMPORTAMENTO: INVEJA, OLHO GORDO, MAU-OLHADO, COBIÇA?

Quem nunca foi vítima da inveja alheia? Seja em casa, pela rua onde mora, numa festa ou mesmo no ambiente de trabalho? Sempre deparamos com aquela pessoa que simplesmente ainda que não admitindo tem uma grande inveja de você, do seu sucesso, do seu talento, de seu carisma, dos amigos que você conquista, ou mesmo até do seu bem material. Na sua frente aquele imenso sorriso, e por trás de você te dando uma facada, desejando no fundo tudo aquilo que você tem ou simplesmente desejando que você simplesmente não tenha mais nada, só porque ela nao possui. Você foi na biblioteca pegou um livro e a pessoa vai lá e quer comprar aquele mesmo livro que você alugou? Entre um e outro comentário esnoba, desdenha de você ou das outras pessoas, querendo ser superior e no fundo esconde um imenso complexo de inferioridade? Se você bate de frente com uma pessoa assim, ela simplesmente se sente humilhada por dentro ou fecha a cara e passa a sentir um ódio ferrenho por suas atitudes, te vampirizando, sugando até a alma - aqui entram os vampiros energéticos que falei em postagens anteriores.

Em contrapartida, de repente você mesmo pode ser assim e nem tenha se dado conta disso. Que tal um pouco de auto-análise?

Alma venenosa

Haja sal grosso e folhas de arruda! Saiba quais são as características dos invejosos e aprenda a espantar essa praga!

Você comprou um vestido lindo para estrear no fim de semana e aquela sua amiga do trabalho adorou o modelito. Para a sua surpresa, no dia do evento, um pouco antes de sair de casa, você esbarra no portão e rasga a peça exclusiva que iria arrasar na noitada. Azar? Que nada, você foi vítima de mau-olhado!


Urucubaca, ziquizira, olho gordo, ou simplesmente inveja. Este sentimento assola a vida de qualquer mortal. Inveja do corte do cabelo, do namorado rico e bonitão, da promoção no emprego ou do carro novo. Seja qual for o motivo, toda mulher já foi cobiçada e sabe que a danada é capaz de acabar com o humor do dia.


Origem do mal


A faixa etária de um invejoso em potencial está entre os 16 e os 35 anos, já que é durante essa fase que a pessoa molda a sua personalidade, deixando de lado a inocência infantil. O sentimento é desenvolvido até os sete anos de idade, moldando a personalidade da pessoa e se solidifica no caráter até o fim da vida. Fatores como o temperamento, convívio social e até genética podem interferir na manifestação da cobiça. Se o pai ou a mãe tem um temperamento invejoso, a criança pode nascer com uma tendência a desejar o que é do outro.

Tipos de veneno


A cobiça pode ser consciente, quando a pessoa sabe que é invejosa e pratica atos premeditados, arquitetando planos com o objetivo de prejudicar o outro. A inconsciente ocorre quando as atitudes tomadas não são planejadas, sendo o objeto de desejo o alvo de uma admiração exagerada, fazendo que alguém queira para si o que é de mérito alheio.

 
A inveja pode ter seu lado bom, desencadeando um processo de superação. Ela tem início em um sentimento de admiração, que pode ser um estímulo para que a pessoa trabalhe suas potencialidades, a fim de conquistar o sucesso adquirido pelo outro.

Entretanto, há quem acredite que não existe inveja positiva. A admiração e a imitação são diferentes da inveja. Quando o invejoso admira alguém ele sente raiva de não possuir aquilo. Ele é uma pessoa fria, um vampiro emocional que suga as suas energias e deixa um clima pesado no ar.


Quando a máscara cai


  É praticamente impossível separar a inveja da falsidade. Por isso é preciso prestar atenção no comportamento dos colegas que integram o seu círculo social. O falso amigo pode estar em qualquer lugar e se aproximar de determinada pessoa por ela possuir algo que lhe desperte desejo, como um objeto de valor, um imóvel, um bom emprego ou até mesmo a pessoa com quem você se relaciona.

 

Para não ser enganada por um invejoso, vale a pena ficar de olho nas atitudes e nos rastros deixados por ele. Geralmente, pessoas invejosas não fixam contato visual muito tempo e desviam o olhar para baixo, ou para os lados. Outra técnica é reparar se o amigo se aproximou depois que você comprou algo, como um carro, por exemplo. Também é interessante observar uma pessoa quando você compartilha momentos de vitória com ela. Discreto, o invejoso acompanha o elogio com um sorriso de quem não gostou, ou com um comentário que duvida da sua capacidade nesse novo patamar.
Homens e mulheres

Existem algumas diferenças básicas de invejas para cada sexo. O homem geralmente tem inveja do carro, do status e da posição social alheia, cobiçando um automóvel, uma mulher ou um cargo na empresa. Já a mulher está mais ligada à aparência pessoal, invejando o vestido, o corte de cabelo, o corpo ou o namorado da outra. Mulheres invejosas armam planos para roubar o marido da colega, incentivam a traição e fazem de tudo para acabar com o relacionamento. Mulheres invejosas, diante de uma idéia da outra colega, desdenham, armam planos para que a pessoa não concretize e soltam comentários de que simplesmente a idéia não vai dar certo - a-ha - só porque ela quer que não dê, porque a idéia, simplesmente não é dela!

Os homens admitem e falam mais abertamente com os amigos daquilo que admiram no outro. Na relação entre mulheres este sentimento é mais velado.
 

 
Então Proteja-se!

Como o falso amigo é um inimigo secreto, é sempre importante prestar atenção a alguns comportamentos. Confira as Dicas abaixo e  aprenda a desmascarar o invejoso antes de ser vítima de seu veneno.











O invejoso

  • É preguiçoso e vai querer lhe afastar das atividades relacionadas ao trabalho, estudo ou aprimoramento profissional.
• Tem um comportamento obsessivo-compulsivo e deseja controlar a sua vida, querendo saber onde e com quem você pratica suas atividades, além de procurar acompanhá-lo sempre que possível. Não confunda estes sinais com a prestimosidade sincera de um amigo.
  • É agressivo e desconta suas frustrações nas pessoas.
• É fofoqueiro e mentiroso. Já que não se sente capaz de conseguir o sucesso alcançado pelo outro, ele tenta difamar a imagem da vítima de sua inveja.

• É desconfiado. Ele tem uma desestrutura de ego é tão grande que sempre vai achar que o que você conta é mentira ou que está querendo levar vantagem às custas dele.

  • Tem complexo de inferioridade e auto-estima baixa. Precisa de elogios constantes para se sentir tão capaz quanto os outros.



ZICA TO ORA!


Todas as artimanhas são válidas para se defender da urucubaca alheia. Além de deixar um pote com sal grosso em cima da mesa do escritório, quanto menos você mostrar a sua felicidade, menos ziquizira vai atrair para a sua vida pessoal. Pare de anunciar aos quatro ventos que comprou um carro novo, que o seu namorado é o máximo, ou que está planejando aquela viagem para a Europa. Quanto menos os falsos amigos souberem da sua vida, melhor para você. 



Você pode choramingar alguma infelicidade sua para enternecer as pessoas, assim, o invejoso não se sente tão diminuído perante o seu sucesso. Mas o mais importante mesmo é não dar importância para a inveja, o que acaba espantando o mau-olhado, naturalmente. Se eu lidar com a minha inveja de uma forma produtiva, me torno imune à cobiça do outro. Quem sente muito medo de ser cobiçada, geralmente também é uma pessoa invejosa.

Inveja é o desejo por atributos, posses, status, habilidades de outra pessoa gerando um sentimento tão grande de egocentrismo que renegue as virtudes alheias, somente acentuando os defeitos. Não é necessariamente associada a um objeto: sua característica mais típica é a comparação desfavorável do status de uma pessoa em relação a outra.
Numa outra perspectiva, a inveja também pode ser definida como uma vontade frustrada de possuir os atributos ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de alcançá-la, seja pela incompetência e limitação física, seja pela intelectual.
 
(http://pt.wikipedia.org/wiki/Inveja)



Você deve estar a se perguntar mas o que é realmente a inveja? Segundo os dicionários da lingua portuguesa inveja significa:

- Sentimento em que se misturam ódio e o desgosto, e que é provocado pela felicidade, beleza ou prosperidade de outros.

- Desejo incontrolável de possuir em caráter escluisvo o que é possuido por outros.

A ‘Inveja’ também existe entre os homens, por vezes é a inveja do status social, do emprego, do belo carro, da inteligência, da boa posição dentro da sociedade, ou de ser o preferido do chefe.
Com as mulheres as coisas tendem a ser por vezes mais complexas, porque há alguns casos onde a ‘invejosa’ e a ‘invejada’ são amigas íntimas, quem sabe cunhadas, primas ou até mesmo irmãs. No mundo virtual a ‘Inveja’ também reina, há a luta por tentar se sobressair mais que a outra e por vezes há também o ‘espalhar’ comentários maldosos pelos mais variados sites e blogs somente com o intuito de ’sujar’ a imagem da outra.



Como lidar com isso? Boa pergunta e difícil a resposta. Vamos ver algumas situações:

1- Inveja entre colegas de trabalho:
Evite participar de ‘rodinhas’ de fofocas, caso alguém venha falar de outra colega à você, sutilmente retire-se do local arranjando uma desculpa qualquer como por exemplo estar com muito trabalho e ter de terminar em tempo hábil. Caso alguém peça sua opinião sobre algum colega ou alguma colega de trabalho, diga que não se sente em condições para avaliar pois não dispõe de dados suficientes para tal.

2- Inveja entre cunhadas, irmãs, primas e familiares diversos:
Evite mostrar, contar e partilhar seja o que for. Procure assuntos triviais e que não envolvam temas pessoais como os planos de uma próxima viagem do casal, a futura compra do novo apartamento, ou a troca de carro ao final do ano. Quanto menos souberem melhor será para você.

3- Inveja entre amigas íntimas:
Caso você se perceba este comportamento de ‘Inveja’ em sua melhor amiga fique atenta com o que conversa com ela. Há duas opções ou você deixa de contar detalhes da sua vida, ou você tem uma conversa franca com ela. Prepare-se porque se você optar pela segunda hipótese poderá ser mal interpretada e causar um grande mal estar entre ambas, por isso antes analise os prós e os contras.

4- Inveja direcionada à roupas, perfumes, carro e etc..:
Caso você tenha uma amiga que tudo que você tem quer ter igual, há duas opções também, ou você conta tudo desde preço, hora, dia e loja onde comprou o ‘objeto invejado’; ou você finge que tudo que você tem é velho ou que ganhou de sua tia-avó há uns 10 anos atrás. A escolha é sua! 

 

Agora há um outro aspecto da ‘Inveja’ e acho que o pior de todos que é quando quem tem ‘Inveja’ da amiga é você. Antes de mais você terá de identificar o motivo que a faz ter inveja da sua amiga. Ela é rica, mais bem sucedida, mais feliz, mais bonita, mais chic, tem filhos, casada, solteira??


Analisando este dado pense se isto é saudável para vocês duas. Para você adianto que é péssimo, pois com certeza irá muitas vezes se remoer com o ‘porque’ da sua amiga ter e você não ter. Caso o sentimento seja de fato muito negativo e incontrolável que tal você se afastar desta amiga? Acho que será mais são para você e para ela.

www.blogdamulher.com

INVEJA NO TRABALHO?


REPORTAGEM *Por Alexandre Freire

Você já presenciou algum ato hostil em função do sentimento de inveja no trabalho? Possivelmente sim. Mas antes de falarmos sobre esta praga humana, primeiro precisamos definir o que significa inveja. Inveja é o sentimento de desgosto pela prosperidade ou alegria do outro, o desejo de possuir aquilo que o outro possui; cobiçar as coisas alheias. Veja que não mencionei a palavra ciúmes. A palavra ciúme significa ter zelo pelo outro ou por alguma coisa ou lugar.

Que diferença faz então em nossas vidas? Se você teve ciúmes da promoção que um colega de trabalho recebeu, não fique com a consciência pesada. Lembre-se que você também queria esta mesma promoção, você acreditava que merecia e que este era o momento. Ou seja, você tinha zelo pela condição que lhe daria uma promoção na empresa.

Porém, se você teve um sentimento de inveja, saiba que não foi pela promoção do colega, mas você teve foi um sentimento de desgosto pela alegria e prosperidade que ela causou ao seu colega. Você preferiria que a promoção nem viesse pra você, desde que não fosse para esta pessoa. A inveja é direcionada às pessoas, o ciúme é direcionado às coisas.



Lembra-se de quando você perdeu aquele torneio de futebol na época de criança. Você presenciou a entrega da medalha para o outro time e ficou pensando: Puxa, como eu queria estar ali. Este sentimento é de ciúmes. Você não mirou na pessoa que recebeu a medalha, você direcionou seu desejo para a medalha em si, na satisfação pessoal que a condição de campeão lhe traria.

Por exemplo: Aos 17 anos de idade, Pelé já era campeão mundial. Maradona, nesta idade, foi substituído por Menotti. Aos 21, Pelé já tinha alcançado a marca de 500 gols. Maradona aos 21 joga uma copa sem brilho e acaba expulso por entrada violenta contra um jogador brasileiro. Aos 26 anos de idade, Pelé é considerado o rei do futebol durante a copa na Inglaterra. Com a mesma idade, Maradona foi considerado o melhor jogador do mundial da Inglaterra fazendo um famoso gol de mão.

Pelé faz 30 anos e se torna tri campeão mundial no México. Maradona quando chega à mesma idade, é expulso do futebol italiano por uso de drogas. Quando Pelé chegou aos 34 anos de idade, foi para os Estados Unidos para lançar definitivamente o futebol nos gramados sintéticos daquele país. Já Maradona por sua vez, quando chegou aos 34, foi pego no antidoping por uso de drogas e expulso do mundial de 94 dos EUA. Por ironia do destino, no mesmo país em que Pelé se consagrou como o principal responsável pelo crescimento deste esporte.

Observe que todas as vezes que Maradona fala de Pelé, a intenção é de desqualificá-lo. Maradona sempre fala com desdém de Pelé, ataca-o até no nível pessoal. O que então ele sente por Pelé? Inveja. Isto mesmo. Maradona sente desgosto pela prosperidade de Pelé, e nunca esconde seu desejo de possuir aquilo que o rei possui. Por isso Maradona está sempre doente. Não acredite no dizer: A inveja mata. Nada disso. Inveja não mata. Inveja adoece o coração e a mente humana.

Se você tem alguém no trabalho com inveja de você, então revide com amor, atenção e carinho. O amor amansa o coração, a atenção transmite importância para o outro e o carinho cura os maus pensamentos humanos.

fontes diversas.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Florais de Saint Germain


 Primeiramente começaremos com algumas noções básicas de conceitos que dão suporte às terapias vibracionais, para então entrarmos no sistema dos FLORAIS DE SAINT GERMAIN.
Os florais são um complemento ideal para qualquer terapia. A essência floral é um campo energético sutil (mantido em uma solução de água e álcool) que, colocado no campo energético sutil de outro ser, atua por ressonância vibracional e o harmoniza.
A essência floral, uma vez incorporada no corpo, e graças a sua característica vibracional, entra em contato com a aura ( campo energético) do paciente, chega aos meridianos de acupuntura, e passa pelos chakras e demais pontos energéticos; primeiro manifesta seus efeitos nos estados emocionais e depois, em certa medida, no corpo. 

Vamos falar um pouco de nosso corpo e como formam-se as doenças. Nosso corpo físico é o corpo mais denso, mas além dele possuímos outros corpos ou camadas de energia, divididos em inferiores e superiores. Estas camadas estruturam-se como ondas de luz, sendo que vão se tornando mais fluidas à medida que vão se afastando de nosso corpo físico. Para cada camada há um tipo de vibração correspondente, e para cada nível de freqüência há um nível de consciência. Portanto, à medida que expandimos nossa consciência, alcançamos camadas mais sutis e de vibração mais elevada de energia. 

Imediatamente após nosso corpo físico temos nosso corpo etérico, um pouco menos denso que nosso corpo físico. A palavra éter define um estado intermediário entre a energia e a matéria. Este corpo etérico compõem-se de minúsculas linhas de energia, como uma teia de raios de luz. Tem a mesma estrutura do nosso corpo físico e inclui todas as partes anatômicas e todos os órgãos. Os florais por serem de uma natureza muito sutil, retirados de plantas de ordem superior, com altas freqüências vibratórias, atuam no corpo etérico. Pela definição da própria criadora do sistema de florais Saint Germain, Neide Margonari, o floral é consciência pura, sendo que trabalha com nossos padrões de comportamento deturpados, elevando-os até o padrão “ideal” que o floral traz como modelo.
O segundo corpo, ou corpo mais sutil que se segue ao corpo etérico, chamado de corpo emocional, está ligado aos sentimentos.Sua estrutura é mais fluida que o corpo físico, porém não duplica o corpo físico. Sua cor varia de acordo com a clareza ou confusão de sentimentos ou da energia que os produz. Sentimentos positivos como o amor, a comoção, a alegria são claros; e sentimentos confusos são escuros e turvos. Nesta camada ou corpo emocional o floral também atua, modificando nossos padrões de sentimentos. 

Os florais, além de atuarem em nossos estados de consciência, elevando nosso padrão vibratório, também têm propriedades fitoterápicas, atuando diretamente sobre os sentimentos e padrões negativos que já se cristalizaram em nosso corpo físico como doenças. Pela linguagem usada na medicina vibracional, que trabalha com terapias que atuam sobre nossos campos energéticos, quando estamos doentes, primeiramente já desenvolvemos esta doença no corpo etérico, emocional ou mental, e após um período longo de tempo em que repetimos padrões errôneos de comportamento é que cristalizam-se sob a forma de doenças. 

Em trabalhos realizados com campos vibratórios nos EUA, terapeutas observaram que quando uma pessoa libera sentimentos, sejam negativos ou positivos, estes manifestam-se como bolhas coloridas de energia. 

O terceiro corpo é o mental, que está além do corpo emocional, e está associado a pensamentos e processos mentais. O corpo mental está estruturado de acordo com a estrutura de nossas idéias. Dentro e através do corpo mental, pode-se observar formas- pensamento que são bolhas de brilho variável, relacionadas com as qualidades dos pensamentos que emitimos. Quanto mais clara for a idéia e positivos os sentimentos associados a ela, mais bem formada e brilhante será a forma do pensamento associada a esta idéia. Pensamentos habituais tornam-se forças bem formadas muito poderosas, que depois exercem influência sobre nossa vida. 

Além destes 4 corpos inferiores possuímos outros corpos superiores, que variam de nomenclatura de acordo com os autores, mas podem ser chamados de corpo mental superior, astral, celestial e causal. 

http://www.espacoluzinterior.med.br

quinta-feira, 27 de maio de 2010

COMPORTAMENTO: DISTURBIOS DA PERSONALIDADE : PSICOPATIA OU SOCIOPATIA

Algumas pessoas vão perguntar o motivo pelo qual vou colocar uma série de assuntos relacionados a isso: distúrbios de personalidade aqui neste Blog. Quero deixar claro aqui que dentre os assuntos holísticos que debatemos, estão as terapias complementares, e em suma, adentrados no aspecto mental e emocional damaior parte das pessoas. A maioria das doenças quando já estão no físico, provém da cristalização de problemas do mental e do emocinal. Sendo assim, vou colocar alguns dos que ocorrem desde tenra infancia:

A Psicopatia, também conhecida como Sociopatia, tem sido associada ao protótipo do assassino em série, porém, nem todos os assassinos são psicopatas e nem todos os psicopatas chegam a ser assassino, ou mesmo fisicamente violentos!


Importa desmistificar esta ideia, porque podemos estar a lidar diariamente com um psicopata, sem termos a noção que aquela pessoa está realmente doente e que afinal, todas as intrigas, confusões, desacatos, mentiras e mau-estar causados pelo mesmo, não são apenas fruto de “mau feitio”. Há pessoas que só se apercebem que têm lidado de perto com um psicopata, momentos antes de uma fatalidade lhes acontecer, nomeadamente o seu homicídio.

Em sua prineira infancia, a pessoa com uma estrutura deslocada teve um pai veladamente sedutor do sexo oposto. O pai queria alguma coisa do filho. O psicopata formava um triangulo com os pais, e achou dificil obter apoio com o pai do mesmo sexo. Colocou-se do lado do pai do sexo oposto, não conseguiu o que queria, sentiu-se traído e depois compensou tudo isso manipulando esse pai.


Sua resposta a essa situação foi tentar controlar os outros do jeito que pudesse. para fazê-lo, precisa expor-se  e até mentir se for necessário. Exige que o apóiem e o estimulem. Na interação com outros, porém, prescreverá a manipualção direta, como: "Voce teve de..." para evocar a submissão. Isso não leva ao apoio.

No aspecto negativo, a pessoa com essa estrutura tem uma tremenda tendência para o poder e a necessidade de dominar os outros. Dispõe de duas maneiras para obter esse controle: intimidando e dominando ou solapando através da sedução. Muitas vezes sua sexualidade é hostil e tem muita fantasia. ela investiu na imagem ideal que faz de si mesma e tem sentimentos fortes de superioridade e desprezo, que encobrem sentimentos profundos de inferioridade.

Quando entra em terapia, queixa-se dos seus sentimentos de derrota. Quer vencer. mas ser apoiada significa render-se, e isso, no seu entender, quer dizer derrota. "Minha vontade será feita" E surge para ela o dilema: " tenho de estar certa ou morrer" . Para resolver o problema na terapia precisa aprender a confiar.

No processo terapêutico, a primeira camada da personalidade encontrada será a "máscara" . Diz ela: "Estou certa; e você esta errado." depois de escavar ainda mais fundo a personalidade, o eu inferior, ou da sombra, dirá: " Eu o controlarei." Quando principia a resolução, o ser superior da personalidade emerge para dizer: "Dou-me por vencido".

O indivíduo psicopático tem medo do fracasso e da derrota. Dividido entre sua dependência das pessoas e a necessidade de domina-las, receia ser dominado e usado por elas e colocado na posição de vítima, o que lhe é totalmente humilhante. usa a sexualidade no jogo do poder; o prazer é secundário em relação à conquista. Ele tenta não expressar suas necessidades fazendo que os outros precisem dele.

Muitas pessoas com este tipo de personalidade são geralmente frias, calculistas, não acreditam jamais no amor incondicional e nem simplesmente no amor carnal. Para elas as pessoas são falsas, o mundo é simplesmente mesquinho, egoísta, destrutivo, e ela não pode se entregar de jeito nenhum. Não confia nas pessoas, no mundo e nem em si mesmas. Vivem dentro de seu mundo de fantasia e sentem profunda tristeza de estar aqui neste planeta, pois aqui, na realidade tridimensional, precisam experimentar a condição de aprendizes, cedendo às vontades alheias e para elas isso é muito complicado, difícil e humilhante, são extremamente orgulhosas, por conta disso, preferem sair da realidade.



O Eu Superior do caráter psicopático liberto, traz-lhe sinceridade e integridade. Seu intelecto, altamente desenvolvido, pode ser utilizado para rsolver desavenças ajudando os outros a encontrarem sua verdade. Por meio de sua sinceridade, ele pode levar outros à sinceridade deles. Tornam-se excelentes pessoas no manejo de projeto complicados, e tem um grande coração cheio de amor.

Embora esta doença seja mais comum no homens, também é possível encontrar mulheres sociopatas.

Os primeiros sinais começam a tornar-se mais evidentes a partir dos 15 anos de idade, embora se possam reconhecer algumas atitudes que apontem neste sentido em idade mais tenra. Eis então os sintomas principais que um psicopata apresenta:

- Ausência de Culpa: Nunca sente arrependimento, nem remorsos. Os outros é que são os culpados de tudo o que acontece de mal e vive com a certeza absoluta que nunca erra, nem errou. Não teme a punição por ter a certeza que tudo o que faz tem um propósito benéfico, (para ele, claro!), embora tenha a noção de que os seus actos são anti-sociais.

Quando é denunciado, recusa a reabilitação ou qualquer tratamento e na impossibilidade de fugir, simula uma mudança de carácter, para mais tarde voltar aos padrões comportamentais que lhe são característicos e até, vingar-se de quem o tentou ajudar!

- Mestres da Mentira: Para eles a realidade e a ilusão fundem-se num só conceito pelo qual regem o seu mundo. São capazes de contar uma mentira como se estivessem a descrever detalhadamente uma situação real. Não mentem apenas para fugirem de uma situação constrangedora, mas pura e simplesmente porque não sabem viver sem mentir.

- Manipulação e Egoísmo: Não tem a noção de bem comum. Desde que ele esteja bem, o resto do mundo não lhe interessa. O psicopata é um indivíduo extremamente manipulador que usa o seu encanto para atingir os seus objectivos, nunca pensando nas emoções alheias. Não reconhece a dor que provoca nos outros e por isso, usa as pessoas como peões, objectos que pode pôr e dispor conforme lhe convêm. Manifesta facilidade em lidar com as palavras e convencer as pessoas mais vulneráveis a entrarem no “jogo” dele.



Querem controlar todos os relacionamentos, impedindo que familiares e amigos confraternizem paralelamente, sem a sua presença. Para tal recorrem as esquemas, intrigas e claro, ao seu charme para se fingir amigo.

- Inteligência: O QI costuma ser acima da média. Há casos de psicopatas que conseguem passar por médicos, advogados, professores, etc, sem nunca terem frequentado uma universidade! São peritos no disfarce, excelentes auto-didatas e fazem-no na perfeição.

- Ausência de Afeto: Não são pessoas afetuosas com o próximo e enquanto pais, não são do genero de “dar colo” aos filhos. Usam os filhos como “marionetas”, em função dos seus próprios interesses, não respeitando as suas escolhas, quer a nível pessoal, quer profissional! Baseia os seus “métodos educativos” na humilhação e chega a ser totalmente negligente para com os seus.

- Impulsivo: Devido ao deficit do superego, não consegue conter os seus impulsos, podendo cometer toda a espécie de crimes, friamente e sem noção de culpa. Costuma fintar até o teste do polígrafo, porque o seu ritmo cardíaco não se altera quando profere mentiras e nem quando comete crimes.

- Isolamento: Gostam de viver sós e quando vivem com outros, querem liderar o grupo, mesmo que para isso destrua uma família inteira.

Existem mais sintomas que denunciam a Psicopatia e, após a leitura deste texto, até pode ser que reconheça alguns destes sinais em familiares seus e pessoas que lhe são próximas.


Existem diversas manifestações de psicopatia, esta doença mental que se manifesta em cerca de dois por cento da população mundial e aparece de diversas formas no ser humano. Muitos não chegam a ser violentos ou a cometer crimes jurídicos, mas são amorais em maior ou menor grau, adquirem comportamentos dissimulados e andam na sociedade como predadores sociais provocando malefícios e opressões, aproveitando-se das pessoas facilmente manipuláveis.

Não há muita clareza científica sobre as causas que determinam o aparecimento dos psicopatas. O senso comum sugere as vezes que são inatas ou genéticas, outras vezes que são adquiridas no convívio social, resultado de carências afetivas ou traumas infantis. O mais provável é que sejam resultantes do entrelaçamento de todos estes fatores juntos. O certo é que eles podem ser encontrados em todos os cantos: nas empresas puxando o tapete dos colegas para chegar a onde querem; nos consultórios operando e receitando remédios sem se preocupar com a saúde e até mesmo a vida dos pacientes; nos Templos, nas ruas, nas Igrejas ou em  programas de TV, gritando ou falando calmamente seus discursos com uma retórica bonita e fazendo exatamente o contrário em suas vidas particulares nababescas e luxuriosas; ou pode está do seu lado, tramando, fofocando e espalhando o seu veneno que contamina as relações sociais e causa sofrimento e injustiças entre as pessoas.

Segundo a REVISTA SUPERINTERESSANTE (Julho-2006.p.48), estas são as principais características de um psicopata:

1- CHARME- Tem facilidade em lidar com as palavras e convencer pessoas vulneráveis. Por isso, torna-se líder com freqüência. Seja na política, no trabalho ou na cadeia.

2- INTELIGÊNCIA- O  QI costuma ser maior que o da média: alguns conseguem passar por médico ou advogado sem nunca ter acabado o Colegial.

3- AUSÊNCIA DE CULPA- Não se arrepende nem tem dor na consciência. É mestre em botar a culpa nos outros por qualquer coisa. Tem certeza que nunca erra.

4- ESPÍRITO SONHADOR- Vive com a cabeça nas nuvens. Mesmo se a situação do sujeito é miserável, ele só fala sobre as glórias que o futuro lhe reserva.

5- HABILIDADE PARA MENTIR- Não vê diferença entre sinceridade e falsidade. É capaz de contar qualquer lorota como se fosse a verdade mais cristalina.

6- EGOÍSMO- Faz suas próprias leis. Não entende o que significa “bem comum”. Se estiver tudo OK para ele, não interessa como está o resto do mundo.

7- FRIEZA- Não reage verdadeiramente ao ver alguém chorando ou sofrendo.

8- PARASITISMO- Quando consegue a amizade de alguém, suga até a medula.


Dentre as variações da Psicopatia, o Psicopata Social é aquele que causa sofrimento a um grupo de pessoa, uma comunidade ou até mesmo a sociedade como um todo, sem esboçar qualquer arrependimento. Nada deixa esses indivíduos com peso na consciência. Não existe ramo de atuação humana onde se encontra mais esse tipo do que na política(com honradas exceções é claro). Estes manipuladores sociais roubam, mentem, trapaceiam, caluniam, e nunca acham que faz alguma coisa de errado; não estão nem aí para o sofrimento alheio. Geralmente possuem uma esperteza superior, uma inteligência acima da média e habilidade para manipular quem está a sua volta. Não são Sábios, são inteligentes, porque o sábio usa o seu raciocínio e o seu saber para a resolução dos problemas dele e de todos, pensando sempre no crescimento e na felicidade coletiva.

Justamente por achar que não faz nada de errado, o Psicopata Social repete seus erros e não conhece emoções e sentimentos nobres tais como o arrependimento, a solidariedade, o amor ao próximo e a compaixão. O país que se dane, a cidade que se dane, o povo que se dane! É assim que ele pensa no seu íntimo. A habilidade de mentir e manipular despudoradamente, muitas vezes sem levantar suspeitas, de hipinotizar platéias com sua lábia, seu dom de oratória, faz com que ele se saia bem na política e na liderança de grupos. Vide: Mussolini, Hitler, Nero, Átila, Collor, etc. são tecnicamente incapazes de frear seus impulsos sacanas e se munem de desculpas para justificar seu comportamento quando necessário, com a destreza e o talento de um brilhante ator.

Os Psiquiatras defendem que, apesar desta mentalidade doentia, eles devem ser responsabilizados pelos seus erros, porque possuem plena consciência de que seus atos não são corretos. E se cometem crimes, devem ir para  cadeia como os outros criminosos por ameaçar a convivência sadia, justa e harmônica da sociedade.

Portanto, informe-se, questione, estude e conscientize-se; são as armas mais eficientes para se livrar destas verdadeiras pragas sociais. Não sigam líderes sem antes submetê-los a uma rigorosa análise crítica; pensem sobre seus atos, suas idéias, seus comportamentos. Questione-os de todos os ângulos possíveis, desconfie sempre para que você não corra o risco de ser manipulado como um cordeirinho. A desconfiança gera a reflexão. Inclusive este texto que você está lendo agora, desconfie dele, reflita sobre ele, analise-o com rigor sistemático e filosófico. Pense por se mesmo e jamais seja pensado por outros; principalmente se estes forem psicopatas sociais como certos políticos. Lembrem-se, muitos deles estão ao nosso redor em plena atividade, prontos para dar bote.

http://recantodasletras.uol.com.br/cronicas/470696 -  O PSICOPATA  SOCIAL - POR MANDINHO       
Livro - "Mãos de Luz" - Barbara Ann Brennan.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

COMO ESCOLHER SEU MESTRE DE REIKI?

COMO ESCOLHER SEU MESTRE DE REIKI?



A Associação Portuguesa de Reiki criou um documento “Como escolher um Mestre / Escola de Reiki” para o esclarecimento e auxílio aos futuros alunos de Reiki. É uma perspectiva que visa elucidar os alunos para as questões a que devem ter em atenção, antes de iniciarem o seu percurso no Reiki e também uma forma de auxiliar os Mestres na correcta divulgação do seu trabalho, no exercício da credibilização desta terapêutica complementar. Este documento não foca em particular um determinado sistema ou escola de Reiki, é generalista e de carácter informativo.

Queremos deixar a ressalva que a designação de “Mestre de Reiki”, vem do termo japonês “Sensei”, que significa Mestre. Não há qualquer grau académico no ensino de Reiki.

As questões abaixo identificadas são resultado de alguns pedidos de informação que fomos recebendo ao longo do tempo e como tal torna-se necessário que este tipo de esclarecimento seja providenciado.


•Como sei que me identifico com o Reiki?

•Que informações pedir ao Mestre?

◦Compreender a extensão do curso

◦Sistema de Reiki que será aprendido

◦A aprendizagem

◦Custo de formação

◦Localização

◦Material Educativo

•Outras questões

◦Aprendi Reiki com um Mestre e agora gostaria de mudar.

◦Existe algum código de conduta para Mestres?

Podem ler mais no site da Associação Portuguesa de Reiki

Leia mais no Site da Associação portuguesa de Reiki

segunda-feira, 24 de maio de 2010

COMO ME TORNAR UM TERAPEUTA?

COMO ME TORNAR UM TERAPEUTA?


Antes de responder a essa pergunta, talvez seja interessante se pensar o que é SER terapeuta.
"De terapeuta e louco todo mundo tem um pouco"... eis o sentido original do ditado: A palavra terapeuta, literalmente, designa "aquele que trata". Todas as pessoas têm, no íntimo, o ímpeto de cuidar do próximo. Assim, todos são terapeutas, em essência.

A diferença da pessoa comum para o profissional, é que o profissional estudou para fazer dessa habilidade sua profissão. Sua formação deve levar em conta não só atribuições técnicas, mas éticas e humanas.
Nós advertimos aqueles que estão fazendo uma simples análise de mercado que desistam desde já. Terapeutas profissionais tem o direito de viver em boas condições, e cobrar o suficiente para isso. Mas o mercado é duro e não se deve pensar em ganhar muito dinheiro já nos primeiros anos. Se você for pensar então no valor e tempo investidos, verá que dificilmente este investimento será recuperado. O bom terapeuta é acima de tudo um profissional por vocação.
Tendo isso em mente, basta seguir os passos indicados a seguir, para ter uma formação garantida:

PASSOS PARA CONSEGUIR SUCESSO NA FORMAÇÃO EM TERAPIAS NATURAIS



1. Invista na sua formação
Mesmo que você se sinta capaz de aprender sozinho, mesmo que seja um diletante naquilo que faz, a troca de experiência, o contato com os outros, as dinâmicas didáticas, etc., é fundamental. Fazer cursos é entrar em contato com gente que já está a mais tempo na estrada, e tem experiência no que diz. Assim, é um caminho seguro para quem quer ser um profissional de qualidade.
2. Faça cursos de qualidade
Não é pelo nome da instituição, pelo diploma simplesmente. Há muitas empresas que hoje só sobrevivem porque construíram nome. Outras, embora tenham bons professores, possuem carga horária muito extensa, o que os obriga a "encher linguiça". Outro problema em muitos cursos é que eles não possuem aular dinâmicas, o que leva o aluno a se distrair e não fixar bem a matéria. Finalmente, cursos muito cheios de gente não são ideais. O interessante é que o professor possa prestar orientação de modo semi-personalizada. Peça sempre para fazer uma aula sem compromisso, e sentir como as pessoas agem no ambiente. 


3. Tenha experiências de estágio
Nenhum curso consegue te dar bagagem. O ideal é que você, antes de sair atendendo por aí na terapia que aprendeu, continue por algum tempo atuando sob supervisão, trocando informações, crescendo. Assim, se o seu curso não te oferece estágio, busque por conta própria. Há espaços terapeuticos que estão sempre oferecendo vagas. Estar acompanhado de um professor que você tenha gostado muito também pode ser muito bom.

4. Alie-se a profissionais ou intituições de qualidade
Uma vez que seu trabalho já esteja fluindo quase tanto quanto uma pessoa que já fala um segundo idioma de forma fluente, é hora de pensar em se fixar. O ideal é começar trabalhando em alguma instituição respeitada, em companhia de colegas mais experientes. Em geral, a sublocação é o método de entrada mais comum, o que é muito bom pois não envolve riscos, caso não se consiga clientes logo de cara.
  
fonte: http://www.portalverde.com.br/index.html

sexta-feira, 21 de maio de 2010

VAMPIRISMO PSIQUICO

ELES ESTÃO MAIS PRÓXIMOS DO QUE SE POSSA PENSAR.




Quando se fala em vampiros, a imagem que nos vem à cabeça é a do Conde Drácula; porém devem ter cuidado porque existe um tipo de vampiro, feito de carne e osso, que vive ao nosso lado. Eles são os “vampiros de energia”, pessoas que convivem diariamente connosco e podem fazer um grande estrago em nossas vidas. Como identifica-los? É fácil! Sabe quando você conversa com uma pessoa e, ao se afastar, sente-se cansado ou mal-humorado de repente e não consegue descobrir o porquê? Aposto que conhece alguém assim! Os vampiros de energia, na maioria das vezes, actuam inconscientemente, ou seja, suga a energia das suas vítimas sem saber. Isso ocorre porque eles não conseguem absorver energia de fontes naturais (cósmicas, telúricas, etc.), tão abundantes, e ficam desequilibradas energeticamente. Precisam então, encontrar outras fontes e as mais próximas são as pessoas.


VAMPIRO COBRADOR: Cobra sempre tudo e de todos. Quando nos encontramos com ele, logo vem a pergunta do porque não lhe telefonamos ou visitamos. Se você vestir a carapuça e se sentir culpado, abre as portas. Use a sua própria arma, ou seja, cobre de volta e pergunte porque ele não liga ou aparece. Deixe-o confuso, não permita que ele retruque e se retire rapidamente.





VAMPIRO CRÍTICO: É aquele que critica tudo e todos usando comentários destrutivos. A maledicência tende a criar á vítima, um estado de alma pesado e abrirá o seu sistema para que a energia seja sugada. Diga “não” às suas criticas. A vida não é assim. O melhor é cortar todo o tipo de contato com essas pessoas.



VAMPIRO ADULADOR: É o famoso engraxa. Adula o ego da vítima, cobrindo-a de elogios falsos. Muito cuidado para não dar ouvidos ao adulador, pois ele espera que o orgulho da vítima abra as portas da aura.





VAMPIRO RECLAMADOR: É o que reclama de tudo e de todos, da vida, do governo, do tempo… reivindicando e protestando sem parar. O mais engraçado é que nem sempre dispõe de argumentos sólidos para justificar os seus protestos. A melhor tática é deixá-lo falando sozinho.




VAMPIRO INQUISITOR: Sua língua é uma metralhadora. Dispara perguntas sobre tudo e não dá tempo para responder. Na verdade, ele não quer respostas, e sim desestabilizar o equilíbrio mental da vítima, perturbando o seu fluxo normal de pensamentos. Para cortar o seu ataque, reaja fazendo-lhe uma pergunta pessoal, e tente afastar-se o mais rápido possível.

VAMPIRO LAMENTOSO: São os lamentosos profissionais, que choram as suas desgraças. Para sugar a energia da vítima, ataca pelos lados emocional e afectivo. Lamenta-se e faz de tudo para despertar a pena. É sempre o coitado, a vítima. Só há uma maneira de lidar com esse tipo de vampiro, é cortar as suas asas. Diga que não gosta de queixas, porque elas não resolvem as situações.



VAMPIRO PEGAJOSO: Investe contra as portas da sexualidade da vítima. Aproxima-se como se quisesse engoli-lo com os olhos. Se não escapar rápido, ele suga a sua energia, seja seduzindo-o com o seu jogo, seja provocando náuseas e repulsa. Em ambos os casos, você está destabilizado e vulnerável. Invente uma desculpa e fuja rapidamente.



VAMPIRO GRILO FALANTE: Fala durante horas sem recuperar o fôlego e enquanto mantém a atenção da vítima, suga a sua energia vital. Para se livrar, invente uma desculpa, levante-se e vá embora.



VAMPIRO HIPOCONDRÍACO: Cada dia aparece com uma doença nova. Adora coleccionar as caixas de remédios, sabe o nome de todos. Desse jeito, chama a atenção de todos, despertando preocupação e cuidados. Enquanto descreve os pormenores dos seus males e conta os seus infindáveis sofrimentos, rouba energia do seu ouvinte, que depois se sente péssimo. Deve afastar-se e contrapor.



VAMPIRO ENCRENQUEIRO: Para ele, o mundo é um campo de batalha, no qual as coisas só são resolvidas com a violência. Faz com que a vítima entre na sua briga, provocando nela um estado agressivo. Este é um método eficiente para destabilizar a vítima e roubar-lhe energia. Procure manter a calma e corte laços com este tipo de pessoa.

Bem, agora já que conhece como os vampiros de energia agem, fuja deles o mais rápido possível. Mas não se esqueça de verificar se você, sem querer, não é um deles também, se por acaso o for tente mudar a sua postura em relação à vida e às pessoas.


DICAS PARA COMBATER O VAMPIRISMO:

1- Evite o contacto físico com ele pois em geral o vampiro adora falar tocando, quase colado em você.

2- Não faça o jogo dele, não se envolva em discussões intermináveis e sem propósito.

3- Não fique muito tempo com ele numa sala, ou em qualquer ambiente fechado, tenha sempre mais pessoas perto.

4- Ande sempre com uma turmalina preta, pois esta pedra ajuda a bloquear a saída de energias.

5- Depois de um contacto mais prolongado tome um banho de sal grosso.

6- Se for possível tome um banho no mar ou numa queda de água.

7- Faça sempre as suas orações e peça para a limpar espiritualmente, e peça pelo vampiro, para que ele encontre a paz, amor e a alegria

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Qual é o papel do terapeuta holístico ?

Mais um artigo, de suma importância para todos os que estão pretentendo adentrar no universo da terapia holística com responsabilidade e respeito. Este artigo foi escrito por Gabriel Mallet Meissner, bastante categórico e objetivo. Segue artigo: 

Qual é o papel do terapeuta holístico?


Por: Gabriel Mallet Meissner (São Paulo. Março-Outubro/2004).

Há muita confusão e desinformação em nosso país a respeito de qual é realmente o papel de um terapeuta holístico. O que faz ele? O que não faz? Qual é a extensão e qual é o limite da sua prática profissional? Como deve agir em relação aos clientes que o procuram? Estas e outras perguntas busco aqui responder, de acordo com meu próprio trabalho como terapeuta holístico. Este artigo, portanto, reflete a maneira como faço minhas sessões de tratamento energético e como oriento meus clientes. Para facilitar, dividi-o em tópicos.

A relação entre a medicina convencional e as terapias holísticas

Há uma tendência a se acreditar que terapeutas holísticos pretendem substituir médicos na prática da medicina. Não é este o caso. O médico tem um campo de atuação, enquanto que o terapeuta holístico tem outro. Um não exclui nem substitui o outro. Ao contrário, ambos se complementam.

Afirmam os terapeutas holísticos que os seres humanos (o mesmo valendo para animais e plantas) possuem não apenas um corpo físico, mas também um corpo energético, que o circunda e o interpenetra. E que este corpo energético é o que origina o próprio corpo físico (afinal, como hoje os físicos sabem, matéria é energia condensada).

Afirmam também que se temos uma doença no corpo físico, temos um desequilíbrio ou bloqueio correspondente no corpo energético (também chamado de etérico). Que toda doença se manifesta em ambos os corpos. E que, portanto, devemos tratar ambos. [1]

Ora, o papel do médico é tratar do corpo físico e suas doenças. O do terapeuta holístico (também chamado de terapeuta energético), tratar do corpo energético e seus desequilíbrio e bloqueios. Portanto, ambos os profissionais são agentes da saúde, mas de âmbitos diferentes dela: o primeiro, da saúde física. O segundo, da saúde energética. [2]

Tratar somente o corpo físico com um médico é um tratamento incompleto. Da mesma forma, é incompleto tratar somente o corpo energético com um terapeuta holístico e deixar de tratar do corpo físico com um médico competente. [3]

É por isso que, ao falarmos em terapias holísticas, não devemos designá-las de terapias alternativas. Este termo é enganoso, pois causa a impressão de que são substitutas dos tratamentos médicos, de que são "alternativas" a eles. Porém, pelos motivos já expostos, esta é uma concepção errônea das terapias holísticas e o termo "alternativo" deve ser evitado. Um termo mais correto é denominar seus métodos de terapias complementares. Ou seja, tratamentos que, realizados como complementos dos tratamentos médicos, auxiliam e aceleram o processo de cura promovido pelos mesmos. [4]

Também pelos motivos acima expostos, há um consenso entre terapeutas holísticos sérios de nunca recomendar a um cliente que, em caso de doença, abandone o tratamento médico convencional. A recomendação de um terapeuta holístico neste caso deve ser a de que procure um médico de sua confiança, bem como faça, paralelamente, o tratamento energético.

Terapeutas holísticos só devem ser procurados isoladamente, isto é, sem se procurar também um médico, quando o motivo da procura não é uma doença física, mas algum outro motivo que seja da competência do terapeuta.

Pelos motivos expostos, o terapeuta holístico deve tomar cuidado para que seus clientes não o tomem por um médico. E sempre que alguém o fizer deve orientá-los a não o tratar como se fosse um. Assim, um terapeuta holístico não usa termos como "doutor" para designar a si mesmo, não chama aqueles que os procuram de "pacientes", mas de "clientes" ou outro termo mais adequado, nem costuma usar, em suas sessões, jaleco, roupas totalmente brancas ou realizar qualquer outro procedimento de caráter médico. [5]

NOTA: Na realidade, nada impede que um terapeuta holístico vista-se totalmente de branco, uma vez que qualquer pessoa é livre para fazê-lo, além de ser o branco uma cor propícia para trabalhos de harmonização energética (o equivalente à “cura” no corpo físico). Porém, o terapeuta holístico evita fazê-lo para não ser confundido com um médico. Mas costuma preferir, para as suas sessões, usar roupas claras.

Para finalizar este tópico, é bom salientar que o corpo energético não apenas se encontra em íntima relação apenas com o corpo físico, mas também com a psique de cada um de nós. E que as terapias holísticas contribuem não apenas para a saúde física, mas também para a psíquica. Portanto, são métodos complementares não apenas para aqueles que se tratam com um médico, mas também para aqueles que se tratam com um psicólogo ou psiquiatra. Afinal, é objetivo das terapias holísticas favorecer a harmonia do ser humano como um todo, não apenas de parte dele. Mas novamente é bom enfatizar que terapeutas holísticos também não são substitutos de psicólogos ou psiquiatras, nem estão habilitados a praticar qualquer procedimento terapêutico que pertença à prática destes profissionais.

Com o que vimos neste tópico, percebe-se claramente que não há motivo para animosidade entre terapeutas holísticos e médicos ou entre terapeutas holísticos e psicólogos ou psiquiatras. Ao contrário, todos podem se complementar e trabalhar em conjunto. Felizmente, a tendência atual é a de que terapeutas holísticos passem a ser cada vez mais aceitos por profissionais da medicina e da psicologia. Há já alguns médicos que estudam e praticam terapias holísticas como complemento aos tratamentos médicos e um número considerável de terapeutas florais são psicólogos (terapia floral e psicologia casam-se maravilhosamente bem!).

Sobre diagnósticos médicos e diagnósticos energéticos.

Terapeuta holístico não faz diagnóstico médico. Mas pode utilizar-se dele para escolher o tratamento para o desequilíbrio energético correspondente à doença física do cliente.

Exemplo: se um médico diagnosticou que uma determinada pessoa sofre de cálculo renal, o terapeuta holístico escolherá um tratamento energético específico para o desequilíbrio energético correspondente a esta doença. Se for reikiano, aplicará Reiki impondo suas mãos sobre os rins ou outra área do corpo que se apresente à sua sensibilidade relacionada ao desequilíbrio; se cromoterapeuta, aplicará com uma lanterna cromoterápica a cor laranja no abdômen, um pouco acima do umbigo [6]; se gemoterapeuta, utilizará pedras como o enxofre e a malaquita. [7]

Estes são apenas alguns exemplos de tratamentos possíveis. Há muitos outros a fim de se tratar do desequilíbrio energético correspondente ao cálculo renal.

Embora o terapeuta holístico não faça diagnóstico médico, pode realizar um diagnóstico energético. Nem sempre a relação entre a doença física e o desequilíbrio energético correspondente é óbvia ou direta. Por isso, para identificar desequilíbrios energéticos, muitos terapeutas holísticos adotam métodos próprios de diagnose energética. Em geral, quando estes métodos próprios são usados, as terapias holísticas atuam de forma mais eficaz. [8]

Os métodos variam de terapeuta para terapeuta e de caso para caso. Alguns exemplos: "escanear" o corpo energético do cliente com as mãos, buscando identificar desequilíbrios e bloqueios (geralmente, relacionados aos chakras) [9], fotos Kirlian e radiestesia, para ficarmos nos métodos mais freqüentes.

Novamente saliento que o diagnóstico energético complementa-se ao diagnóstico médico, mas em hipótese alguma o substitui.

Relação entre terapias holísticas e religião.

Terapias holísticas não são formas de religião, nem são ligadas a religião alguma. Também não exigem o uso da fé para funcionarem, quer por parte do cliente, quer por parte do terapeuta. Não é preciso acreditar em nada. A experiência mostra que as terapias holísticas funcionam mesmo em clientes totalmente céticos.

Porém, um terapeuta holístico pode, se o desejar, usar de imagens sagradas, orações e métodos correlatos para auxiliar no tratamento energético. As diversas formas de terapias holísticas não dependem delas para funcionarem, mas podem se valer delas como auxiliares. É comum em espaços de atendimento holístico haver nas paredes imagens de Mestres e símbolos que se pense auxiliarem na harmonização energética.

A importância destes métodos na terapia varia de terapeuta para terapeuta. Há desde terapeutas que lhes dão importância fundamental até os que não lhe não importância alguma. Número considerável de terapeutas holísticos encontra-se no meio termo.

Como as terapias holísticas não são ligadas a nenhuma religião, quando métodos religiosos/espirituais são utilizados como auxiliares, estes costumam ser o mais ecumênicos possíveis. Até mesmo em respeito ao cliente que pode ser de uma religião diferente à do terapeuta, ou não ter religião alguma (assim como o terapeuta pode também não ter).

Exemplo: se for realizada uma oração a Deus, dificilmente será recitado o Pai Nosso, que é uma oração estritamente cristã, enquanto que seria mais provável que fosse recitado algo como A Grande Invocação, oração a Deus de caráter ecumênico, escrita pela teósofa Alice Bailey.

Terapeutas holísticos também não têm como procedimento padrão utilizar-se da prática da mediunidade. Porém, se o terapeuta for médium, pode acontecer de se valer dela, recebendo orientação do plano espiritual concernente ao tratamento do corpo energético. Ainda assim, a prática da incorporação não é praticada, dando-se preferência à comunicação telepática com o Astral, à clariaudiência, à clarividência etc. Exceções são os casos de alguns centros espíritas ou umbandistas que mesclam seus próprios procedimentos com os procedimentos das terapias holísticas.

Terapias holísticas, desenvolvimento pessoal e espiritualidade

É papel do terapeuta holístico conscientizar o cliente de que todos os seus desequilíbrios energéticos são da sua própria responsabilidade e são resultados dos seus próprios atos e postura na vida, que causam uma desarmonia entre a sua Personalidade e o seu Espírito. [10]

Deve conscientizá-lo a assumir essa responsabilidade a fim de transformar sua vida, de desenvolver-se integralmente (isto é, física, psicológica e espiritualmente), de tornar-se um ser humano pleno e realizado. Pois saúde, no seu sentido holístico, é ser um ser humano desenvolvido e em harmonia com seu eu profundo e com o cosmo.

Assim, o terapeuta holístico busca incentivar o cliente buscar valores evolutivos sob os quais viver e a praticar a introspecção, a fim de conhecer a si mesmo ("conhece-te a ti mesmo" pode ser considerado, neste sentido, a grande máxima da cura no sentido holístico).

Porém, o terapeuta holístico não é um conselheiro nem um psicólogo. Não analisa a vida psicológica do cliente, nem fornece conselhos taxativos sobre como ele deve viver a sua vida, pois tem ciência de que ninguém pode saber o que é melhor para o outro. Pode, sim, dar sua opinião sobre alguma questão que seja levantada durante as sessões (muitas terapias holísticas têm a propriedade de trazer para o consciente material psíquico oriundo do inconsciente). No entanto, a sua opinião deve ser dada menos como uma orientação de como viver a sua vida e mais como uma seta indicando o que o cliente deve buscar.

Terapeutas holísticos costumam ter consciência de que cada um é responsável pela sua saúde e de que sua cura está sempre dentro de si mesmo. Assim, o terapeuta holístico (energético) não vê a si mesmo como um “curador”. Vê-se como um facilitador da cura, auxiliando o cliente a curar-se a si mesmo. Sabem que toda cura é, na realidade, uma auto-cura.

O terapeuta holístico sabe também que a melhor energia para harmonizar o corpo energético de uma pessoa é a do amor incondicional. Portanto, é papel do terapeuta holístico trabalhar, dia a dia, pelo seu próprio desenvolvimento espiritual, a fim de ser capaz de tal sentimento e realmente se importar pela recuperação de seus clientes, mesmo que sejam completos desconhecidos, à maneira dos antigos Terapeutas de Alexandria [11]. O modo como irá se desenvolver espiritualmente é, entretanto, assunto de cada terapeuta.

Terapias holísticas e o cuidado com o corpo físico e a saúde mental

O fato de uma pessoa se submeter a um tratamento energético não deve deixá-lo preguiçoso no que diz respeito aos cuidados com seu corpo físico. É papel do terapeuta holístico conscientizar seus clientes disto. Deve incentivá-los a alimentar-se corretamente e praticar exercícios físicos regulares. Pode também ensiná-los técnicas simples de respiração profunda e relaxamento, a serem praticados quotidianamente, em casa.

Mas seus conselhos não devem sair do âmbito do puro bom-senso. Quer dizer, não deve entrar em pormenores que apenas um médico, nutricionista, fisioterapeuta ou outro profissional da saúde pode entrar.

O terapeuta holístico também deve orientar o seu cliente a praticar a higiene mental, ensinando práticas simples de meditação, afirmações, concentração, visualização, oração (no caso do cliente ser religioso) etc. Deve ensinar como substituir emoções e pensamentos negativos por emoções e pensamentos positivos.

Terapias holísticas e estudo sério e aprofundado

Muitas das terapias holísticas são relativamente fáceis e rápidas de serem aprendidas. O terapeuta holístico não deve, porém, se iludir de que isto o livre de um estudo sério e aprofundado. Um terapeuta holístico competente tem consciência de que quanto mais conhecimento tiver sobre a(s) terapia(s) que utiliza, melhores serão as suas sessões de harmonização energética. Portanto, investe seu tempo e seu dinheiro em boa bibliografia, cursos de reciclagem, empenha-se em trocar conhecimentos e experiências com outros terapeutas, está atento para novas técnicas que surgem e novas pesquisas científicas a respeito das terapias holísticas. Enfim, como todo bom profissional de qualquer outra área de atuação, está em constante atualização e aperfeiçoamento.

O terapeuta holístico deve estudar não apenas a(s) terapia(s) de sua especialidade, mas também ter um conhecimento mínimo sobre o funcionamento do corpo humano e suas patologias, bem como um conhecimento mínimo de psicologia e do ser humano. Deve também ter uma boa cultura geral. Tudo isto o auxilia a ser um profissional competente, a ganhar respeito e confiança de seus clientes e a ser capaz de defender sua prática profissional do ataque de céticos ou pessoas agindo de má-fé.

Todo amadorismo nas terapias holísticas deve ser combatido pelos próprios terapeutas holísticos. E a melhor forma de combatê-lo é investir do seu próprio conhecimento e compartilhá-lo com outros terapeutas.

A principal função do terapeuta holístico

Para finalizar este artigo, é preciso dizer a principal atribuição do terapeuta holístico, a mais importante entre todas as outras: acima de qualquer outra coisa, é papel do terapeuta holístico aplicar tudo o que foi dito acima na sua própria vida. Pois o terapeuta holístico está ciente de que apenas pode compreender o processo de harmonização quem passa por ele. Conseqüentemente, que apenas quem curou a si mesmo pode servir de facilitador da cura dos seus semelhantes.


Referências bibliográficas
[1] Fortune, Dion. “Algumas dificuldades da cura espiritual”, in Aspectos do Ocultismo, Pensamento, 2003.
[2] Idem.
[3] Idem.
[4] O termo terapia complementar adotado neste artigo partindo da noção de medicina complementar, cunhada pela Associação de Medicina Complementar (AMC).
[5] Normas técnicas do Sindicato dos Terapeutas (SINTE).
[6] Edde, Gerard. Cores para a sua saúde, Pensamento, 1982.
[7] Duncan, Antonio. O Caminho das Pedras, Nórdica, 1998.
[8] Gaspar, Eneida Duarte. Cromoterapia - Cores para a vida e para a saúde, Pallas, 1997.
[9] Idem.

[10] Bach, Dr.Edward. “Cura-te a ti mesmo”, in Os Remédios Florais do Dr.Bach, Pensamento, 1992.
[11] Leloup, Jean-Yves e Boff, Leonardo. Terapeutas do Deserto, Vozes, 1997. Leloup, Jean-Yves, Cuidar do Ser – Fílon e os Terapeutas de Alexandria, Vozes, 1986.


Gabriel Meissner é terapeuta holístico.
Trabalha com Reiki, terapia floral e cromoterapia.
http://vidaemharmonia.blogspot.com/
gabrielmm1979@yahoo.com.br

REIKI E SUAS “ESTÓRIAS”

Achei bastante interessante e consistente este artigo do terapeuta Rogério Pires sobre Reiki. Ao mesmo tempo que polêmico, o artigo é deveras escalaredor e autêntico. Segue:

REIKI E SUAS “ESTÓRIAS”


 

 


Sou Terapeuta Holístico, que dentre outras técnicas, possuo o Mestrado em Reiki e AMO o que esta maravilhosa terapia engloba e proporciona aos meus clientes e à minha vida em geral, desta forma, mesmo sabendo que existe a possibilidade de receber inúmeras críticas por aqueles que colocam as suas PAIXÕES acima do que é REAL, por AMOR a esta técnica, farei alguns esclarecimentos acerca de alguns fatos citados nas “histórias” sobre os principais Mestres de Reiki, assim como a sua aceitação pela OMS – Organização Mundial de Saúde e algumas considerações LEGAIS.

Esta abordagem tem o objetivo de criar um relacionamento construtivo entre os Terapeutas Reikianos, Facilitadores do Reiki, com os seus “clientes”, discentes e público consumidor em geral, pois a Energia Reiki cada vez mais ganha espaço no Brasil e no mundo e por conseguinte, desperta curiosidade de algumas pessoas, interesse financeiros de outras e AMOR e VERDADE DE PROPÓSITO em sua grande maioria que busca os efeitos harmonizadores que o reiki proporciona na vida das pessoas.

Em se tratando de alguns aspectos legais, faz-se premente uma reflexão acerca de alguns termos encontrados na vasta literatura que relata a história e aplicabilidade do Reiki. Citando o Código Penal, capítulo III – DOS CRIMES CONTRA A SAÚDE PÚBLICA:

Artigo 283 (Charlatanismo): Inculcar ou anunciar cura por meio secreto ou infalível.
Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa;

Artigo 284 (Curandeirismo): Exercer o curandeirismo: Prescrevendo, ministrando ou aplicando, habitualmente, qualquer substância; usando gestos, palavras ou qualquer outro meio; fazendo diagnósticos. Pena - detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos. Parágrafo único - Se o crime é praticado mediante remuneração, o agente fica também sujeito à multa.

Pois ao se afirmar que o Reiki “CURA”, que trata de “PACIENTES”, que “trata de doenças”, que “utiliza-se de símbolos SECRETOS”, fazer “diagnósticos”, e utilizar quaisquer outros termos ou atividades com a mesma conotação, ou termos similares, o terapeuta poderá se enquadrar em um destes Artigos, além de existir a possibilidade de ser acusado de EXERCÍCIO ILEGAL DA MEDICINA, independente do bom resultado da aplicabilidade da Terapia Reiki.

Portanto, é importante deixar claro em nossas dissertações, materias de divulgação, apostilas, certificados etc, que o Reiki não cura e sim HARMONIZA, EQUILIBRA; o Terapeuta Reikiano não tem pacientes e sim “CLIENTES”; a Energia Reiki não trata de doenças e sim de DESEQUILÍBRIOS, DESARMONIAS; O Terapeuta Reikiano não dá diagnósticos e sim faz ANÁLISES ENERGÉTICAS E SUAS PRÉ-DISPOSIÇÕES; o Terapeuta Reikiano não prescreve e sim RECOMENDA, ACONSELHA; e é importante deixar claro que os símbolos do Reiki não são secretos e sim “SAGRADOS”, que são palavras com significados distintos e desta forma não se caracteriza como uma prática secreta (Art. 283). Da mesma forma que não é correto a associação da Terapia Reiki com religiões ou “credos” pessoais, independente de serem orientais ou ocidentais.

Ainda citando o ASPECTO LEGAL, é muito comum encontrarmos em nossa caminhada como Reikianos, histórias de pessoas que se dizem “reikianas” sem passarem por nenhuma iniciação ou sintonização por um Mestre de Reiki devidamente habilitado. Não há, previsto em Lei, nenhum tipo de punição para este tipo de conduta, ou seja, qualquer pessoa pode fazer uso da palavra REIKI em suas práticas terapêuticas, independente de ter feito algum curso na área ou ter conhecido a técnica através de livros ou artigos publicados (autodidata), desta forma, denominar-se como REIKIANO sem passar pelos requisitos básicos e TRADICIONAIS não é ilegal, mas no mínimo é ANTI-ÉTICO.

Em se tratando das afirmações de que o REIKI é reconhecido pela OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, para a surpresa de muitos facilitadores, clientes e alunos; ELE NÃO É RECONHECIDO PELA OMS! Para averiguar esta constatação, basta realizar uma breve pesquisa na página eletrônica da OMS.

Esta “pequena confusão”, deu-se devido a OMS, em 1962, através da DECLARAÇÃO DE ALMA ATA, instituir a “Terapia Alternativa” em caráter internacional e em 1978, a Organização das Nações Unidas – (ONU), sugerir aos países membros que adotem as práticas alternativas em saúde, em seus respectivos sistemas de saúde. Em nenhum momento, nestes eventos, foram citados os nomes “REIKI” ou “ENEGIA VITAL UNIVERSAL” e sim a prática holística como um todo. E é claro, que esta informação em nada diminui a eficácia da técnica, que pode ser comprovada empiricamente durante toda a sua história de existência.

Outro importante fato a ser esclarecido, envolve a "história" do REDESCOBRIDOR da Energia Reiki, o magnífico Sr. MIKAO USUI, que foi sem dúvida a principal BASE de toda a significativa obra que envolve a Energia Reiki. Muito comumente, quando lemos alguma obra relacionada com a sua história, encontramos associações com títulos, diplomas, viagens, ligações com importantes Instituições Internacionais, dentre outros atributos, que algumas pesquisas mais recentes, principalmente nestas referidas instituições citadas em suas biografias, mostrarem o contrário.

No entanto, a confusão permanece com relação à história pessoal de Usui, com informações desencontradas que parecem ter origem na dificuldade de se encontrar documentos que comprovem certas passagens de sua vida. Algumas pessoas entendem que os dados sobre a vida de Mikao Usui foram deliberadamente alterados para se adaptar a certos conceitos ocidentais e para facilitar a penetração do Reiki no Ocidente, especialmente no período pós-guerra, quando os japoneses ainda eram vistos com uma certa desconfiança. Na verdade, não existem documentos suficientes para se comprovar nenhuma das versões apresentadas da história do notável Sr. Mikao Usui.

Polêmicas à parte, devemos levar em consideração o que é REALIDADE e o que é CRENÇA, pois a Energia Reiki esta acima de qualquer tipo de interesse pessoal ou mecanismos de “supervalorização” DA TÉCNICA, ela simplesmente fala por si própria, transformando a cada dia a vida de milhares de pessoas no mundo inteiro, e por isto, ela é considerada a Terapia Holística mais procurada e utilizada em todo o PLANETA.

REIKILIBRE-SE!

Por Rogério Pires
Terapeuta e Psicoterapeuta Holístico – CRT 37461
www.phatae.com
suporte@phatae.com
Retirado do site Somos Todos Um.